Moda x Consumo Consciente

ISTITUTO DI MODA BURGO

BLOG

por Thiara Michels, com exclusividade para o IMB Brasil


Vivemos em uma era que nos permite ter tudo que possamos imaginar, ou até mesmo que nem imaginamos que possa existir, mas que ao mesmo tempo nos mostra a cada dia a necessidade maior de termos consciência ambiental, econômica, social.

E o que a moda tem a ver com isso?

Simplesmente em tudo. Com a moda, podemos ser conscientes andando bem vestidas e por dentro das tendências do momento e ao mesmo tempo, utilizando peças ecológicas, com produção em locais com condições legais de trabalho, sabendo comprar para usar e não para acumular.

Há algum tempo atrás, antes mesmo do boom dos blogs de moda, onde a informação era mais restrita nesse assunto e até mesmo pouco abordada, eu já gostava muito do assunto, mas comprava sem consciência. Comprava porque achava bonito/bom/barato/interessante ou qualquer outro adjetivo, mas não pensava em questões importantes como: Combina com outras peças que eu já tenho? Qual será o uso real da peça? Tem benefício pelo valor/quantidade de uso (a famosa fórmula de quanto custa cada “usada”)? Por quanto tempo eu vou usar? É uma peça multiuso? Serve pra trabalhar e sair também? Vou enjoar dessa estampa ou dessa cor? Essa tendência dura mais que uma estação? O tecido é de qualidade? Ela será relevante no meu closet? Eu tenho alguma peça parecida? Vai ter durabilidade? Vai ser um real investimento? Será que não é impulso por tendência ou modismo?

Hoje em dia, os blogs me fizeram pensar muito mais e criar todas essas questões diante de uma compra, de uma simples blusinha básica a uma bolsa grifada. E isso é ter consciência na moda. Até porque, com tantas opções que temos, tantas marcas, lojas, tendências e estilos, acabamos facilmente acumulando peças e acessórios, e ao invés de nos ajudarem, se tornam inimigos no armário. Quem nunca achou uma peça de roupa que nem lembrava mais que tinha que atire a primeira pedra. Acumulamos peças e acabamos ficando sem espaço e opções, de tanto que temos e não vemos. E aí, usamos “sempre” as mesmas peças. O pensamento consciente na compra e no consumo da moda nos ajuda a exercitar mais o uso de nosso armário como um todo, buscando uso para novas peças, combinações e similares, acabamos conhecendo sempre nossos armários de maneira melhor e evitando muitas compras impulsivas. E é claro, sempre mantendo uma quantidade que torne todas as peças visíveis no closet.


E aí você se pergunta: como se vestir bem, com estilo próprio e por dentro de tendências atuais e ao mesmo tempo, sem ter peças demais? Temos um exemplo super real. A jornalista Daniela Kopsch criou o blog Less is the new black em 2015 pra mostrar seu novo armário, de 50 peças de roupa e seus looks diários, comprovando que é possível sobreviver com estilo, na moda e sem andar sempre com os mesmos looks com um closet de apenas 50 peças de roupa (sem incluir sapatos/acessórios).

Pode parecer utopia, mas é mais simples do que parece: com peças chave, escolhidas conforme seu estilo e clima de onde mora, e em sua maioria neutras e que permitem diversas combinações é super possível! E essa é só uma forma de consumir moda conscientemente. É só uma de várias ideias e ideais para isso. Não precisamos viver sem consumir moda, porque isso sim seria impossível! Só devemos buscar a conscientização como um mantra e procurar um uso melhor para uma peça antiga ao adquirir uma nova.

E você, consegue consumir moda conscientemente?